sexta-feira, dezembro 10, 2004

viva!

O meu primeiro post foi publicado novamente depois de um longo período de birra do meu blogger.
Devo esclarecer, antes de falar sobre essa incrível terra que é a Argentina, que o teclado daqui nao tem alguns acentos - así que nao reparem a falta da maioria deles.

Ontem, quinta, tive uma das experiencias mais legais daqui: fui ao Teatro Colón. Mas nao para fazer visitinha guiada boba. Rapaz, consegui entradas para ver Carmina Burana no Colón!!!!!!
Nao tenho palavras para dizer o quanto o teatro é lindo, nem o quanto sua acústica é perfeita - aliás, é considerado um dos cinco melhores teatros para se escutar música lírica. Depois de fazer a visitinha guiada boba, a emocao de ver o Colón cheio, de luzes acesas e palco ocupado é muito diferente.

Entao... o meu Carmina Burana foi assim: coro de 120 pessoas (inclusive a nossa vizinha aqui do hostel), mais uns 40 menininhos para fazer as vozes das criancas, dois pianos, um gongo (fantástico), violinos, sopros e mais uma infinidade de instrumentos musicais que eu nao vou saber o nome direito agora. Todos funcionando numa ordem espetacular. Cada um ali sabe a hora que vai ter de estar a postos para comecar a tocar. Cada um sabe a intensidade que vai ter de botar no instrumento, para que o som saia do jeito que tem de ser. O carinha dos pratos já sabe a intensidade do som que vai produzir se bate-los de uma ou outra forma.

Outra coisa bacana é que o pessoal do teatro botou uma espécie de letreiro em cima do palco, para a gente poder saber a história (eu, pelo menos, nao conhecia o enredo). Ela é contada de uma forma, assim digamos, circular. A ópera comeca e termina da mesma maneira, com aquelas vozes que a maioria das pessoas conhece (acho!). E, pelo que percebi, cada divisao da história segue mais ou menos o mesmo padrao. Nao da pra explicar direito com palavras, tem que ouvir para saber como é.
Em suma: fera. :-) Basicamente, meu olho encheu d´água quando vi todas essas coisas se juntando.

Um comentário:

Roberta Cavalcanti disse...

Que bom que você voltou! E melhor ainda saber que você tá a aproveitando, muito bem, a Argentina. Gostou mesmo daí, hein! Dia desses recebo a notícia que você se mudou... Será?
Beijos,
Roberta