quinta-feira, dezembro 31, 2009

Alegria!

Galera,
Que em 2010, além de termos saúde e sorte, também possamos encontrar as respostas para as nossas perguntas.
Beijo! Mari

quarta-feira, dezembro 30, 2009

É hoje


Povo da minha terra: saiu hoje a edição que escrevi sobre Bogotá.
Comprem o jornal! ;-)
beijos

Como é bom ter zoom


Cara, nem acredito que consegui fazer essa foto. Rolou durante um aniversário de criança aqui em BSB. Tive que entoar aquele mantra básico (fica aí, fica aí, fica aí...) para que a bichinha permanecesse no galho enquanto clicava.

terça-feira, dezembro 29, 2009

domingo, dezembro 27, 2009

Mangueiras (textinho brega pós-Natal)

Nesta época do ano, as mangueiras ficam carregadas de frutas.

Elas se penduram nos galhos como se fossem enfeites de uma árvore.

Desde o dia em que reparei nisso, passei a preferir as mangueiras a qualquer árvore de Natal. Especialmente quando os moradores daqui deixam as mangas amadurecerem em paz, até ficarem vermelhas e caírem sozinhas no chão.

Quem nunca veio a Brasília talvez não saiba que o povo daqui adora derrubar as frutas quando elas ainda estão verdes. A ideia é comê-las com sal -- já que o ingrediente seria capaz de neutralizar a acidez da manga verde.

Então, fica aquele bando de gente armada de cabos enormes (de vassoura e de outros tipos) tentando puxar as manguinhas dos galhos. Isso quando não ficam balançando a árvore loucamente.

Ora, seria muito mais fácil esperar até a manga ficar madura para aí sim comê-la. E o cabra ainda economizaria vários reais em sal.

* Suspiro *

Daí, um dia desses, dirigindo perto da Catedral, num lugar cujo endereço não consigo nem chutar (coisas de Brasília, de novo), passei por uma mangueira intacta, com frutas absurdamente vermelhas. Primeiro, a elegi como minha árvore de fim de ano preferida. Depois, morri de inveja de quem fosse rústico o suficiente para ir catar as mangas.

Porque esse negócio de sair de casa com cabo de vassoura e lata (pra guardar as frutas) e procurar um lugar estranho pra estacionar num endereço x é zero a minha cara. Prefiro um mercadinho bem urbanóide.

domingo, dezembro 20, 2009

Cinto amarelo & outros micos

Daí que 2009 acabou, a época de amigos ocultos chegou e eu, milagrosamente, consegui não entrar em nenhum este ano.

Quer dizer, as gurias da escola tentaram organizar um, mas depois achou-se por bem só promovermos um encontro coletivo mesmo. E o pessoal do trabalho teve a mesma boa idéia.

Melhor assim, porque trabalhei igual a uma mula este ano e não tive tempo de comprar nada pra ninguém ainda. E porque tenho a tendência de me ferrar em amigos ocultos. Talvez alguns de vocês compartilhem essa sorte.

Saquei isso quando, na segunda série, ganhei um cinto amarelo do meu amigo oculto. Eu, que não uso cinto e só visto amarelo mediante muitos dinheiros (euros, de preferência).

As coisas ficaram melhores na adolescência, quando algum sábio da humanidade resolveu instituir a lista do que cada pessoa quer e não quer ganhar. Aí é fácil acertar: eu sempre gostei de ganhar agendas (na época em que meninas no Brasil faziam agendas), livros, discos, essas coisas. Podia até ser um vale-CD, não me importa que isso seja pouco pessoal. Depois, outro inventou o de R$ 1,99, bizarro, porém divertido.

Então, um metido a sábio resolveu que esse negócio de lista de quero/não quero é muito chato e previsível. E resolveu criar sandices como o amigo oculto em que você tem que "roubar" o presente da outra pessoa. Ou aquele em que os nomes são todos sorteados na hora.

Numas dessas, já ganhei um monte de produtos com cheiros diversos (não uso) e/ou engordativos (fujo).

De modo que, acho, não perco muito ficando de fora dessas coisas e só aproveitando os encontros de fim de ano para ver quem eu gosto.

Se um dia, alguém quiser retomar o esquema de lista de desejos, eu topo. Na minha, vão entrar uns carrinhos tipo o Mini Cooper (rsrsrs), uma passagem de avião no esquema volta-ao-mundo (mais risos), um vale-makeover e um monte de livros. Aí, eu vou ser a primeira a entrar no jogo.

Em tempo: acho que vou me dar um tripé de presente de Natal.

quarta-feira, dezembro 16, 2009

A vida é dura, mano

Meu povo, tô trabalhando loucamente neste fim de ano -- de modo que não vou conseguir fazer muitos posts grandes.

Por ora, deixo aqui dois cachorrinhos bogotanos para ver se a audiência se diverte. ;-)

Vi os bichinhos em Usaquén, bairro onde rola um mercado das pulgas superlegal aos domingos.

Aliás, pulgas, cachorros... vontade de fazer um trocadilho infame...

segunda-feira, dezembro 14, 2009

Post extraordinário no meio do dia

Só para eu dizer o quanto eu amo o Kings of Leon.
Amo mesmo.

Os labradores de Bogotá

(Eu tenho contado tanto essa história que, para não ficar me repetindo por muito tempo, prefiro registrá-la logo aqui.)

Atenção, fãs de labradores fofos: Bogotá é uma cidade cheia deles.

Há tantos, e de tão diversos tamanhos, que eu pirei. Adoro. Mas eles não estão lá somente para serem lindos: também servem para ajudar no combate às drogas, já que são facilmente treináveis e têm um olfato muito desenvolvido.

Os cachorros podem ser encontrados em prédios e empresas de todos os tipos. Havia uma “equipe” de cães no hotel onde fiquei, por exemplo – e digo “equipe” porque eles se revezam e cumprem horário (agora me esqueci quanto dura o turno). Um deles ilustra as fotos deste post.

E eles são também protagonistas de um rito pelo qual todo mundo passa ao sair do país. É estranho, mas necessário, considerando-se o drama todo que a Colômbia viveu nas últimas décadas.

O rito

Funciona mais ou menos assim: depois fazer check-in e de passar pelo raio-x e pela imigração, os passageiros deixam no chão, uma a uma, as bagagens de mão numa fila. Todas têm que ficar bem unidas umas às outras.

Quando todo mundo terminou de colocar a bagagem no chão, tem que se afastar (calculei um metro de distância) das malas. Nesse momento, vêm dois oficiais do Exército. Um segura o labrador pela coleira. O outro chega perto das malas sacudindo devagar e perto delas uma coisa parecida com uma toalha branca enrolada. Depois de fazer uns sons e dizer umas instruções para o bicho, o homem da toalha grita:

-- Suuuup!

Nesse momento, o cachorro vem a mil por hora, seco para farejar as bagagens. Inspeciona uma por uma, canto por canto. Depois que o bicho já seguiu um pouco em frente, o oficial sacode a toalha perto de outras malas e continua:

-- Suuuup!

O labrador fareja, fareja e fareja. Dá a volta para cheirar o outro lado das malas. O clima no ar é tenso. Pela última vez, o cara de verde diz:

-- Suuuup!

Quando chega perto do fim, o cachorrinho preto (com uma mancha branca no peito) invoca com uma sacola azul-escura. Cheira. Cheira de novo. Cheira mais uma vez. Dá uma cavadinha. Mas não chega a latir como quem encontrasse porcaria. Só fareja as últimas bagagens, ganha um carinho e vai embora.

O oficial da toalha recolhe a mala de que o doggy suspeitou e libera os donos das demais para seguir para os respectivos portões de embarque. Eu fui adiante, sem querer imaginar se o dono da sacola azul conseguiu seguir viagem ou se ficou por lá mesmo.

quinta-feira, dezembro 10, 2009

Hoje eu acordei...

Tem uma passagem bem divertida que rolou na minha mudança de casa, na semana passada.
(Sim, mudei de casa).

Naquela quinta de manhã, o chefe da equipe dos carregadores chegou pra trabalhar na maior pilha:
- Hoje eu acordei apaixonaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaado! - anunciou. Como as paredes no meu ex-bloco eram feitas de papel vegetal, acredito que todo mundo tenha ouvido.

Aí, ele passou o resto do dia cantando, feliz da vida. Insistiu particularmente naquela música do Roberto Carlos que diz assim:
- Daqui pra frente, tudo vai ser diferente...

Que, por sinal, era uma música adequadíssima pra quem estava de malas e caixas prontas.

quarta-feira, dezembro 09, 2009

Natal no shopping, oh, que meigo

Do ponto de vista técnico, essa foto é bem mais ou menos (tremida, tirada com pressa, cocoruto de um tiozinho aparecendo no canto do enquadramento, etc.). Mas eu me amarro nela assim mesmo! Adoro a dançarina de shopping vestida de criança, a criança vestida de dançarina de shopping... e, pelamordedeus, o que é esse Papai Noel futurista com cara de saco cheio???

Imagem feita em Bogotá, claro :-) , acho que no shopping Centro Andino.

segunda-feira, dezembro 07, 2009

No avião

O comandante, muito sério, comunica as informações do voo para os passageiros:

- Boa noite, senhores passageiros. Estamos voando a XX metros de altitude, com velocidade de YY quilômetros por hora... temperatura lá fora de -ZZºC... em Brasília, chuva, etc., etc....

Parecia um anúncio bem normal.

- E, para aqueles que pediram informações sobre a final do Campeonato Brasileiro, gostaria de dizer: o Flamengo venceu o Grêmio por 2 x 1 e... UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUHHHHHHHHHHHHHHHHHH UAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHH!!!! MENGÃO CAMPEÃO!!!!!!!!!!

Tipo assim, out of control. Mas ele voltou ao normal no segundo seguinte.

- Bom, são as informações que temos para o momento. Por sua atenção, obrigado.

(História contada pelo maridón)

domingo, dezembro 06, 2009

Lhaminha peluda


Encontrei-a na base do Cerro de Monserrate, que é o ponto mais alto de Bogotá. Logo intuí que os tiozinhos deveriam permitir fotos com o bicho mediante o pagamento de vááááários pesos colombianos. Como sou fotomaníaca e algo pão dura, usei o zoom de 10x da máquina para tentar a imagem.

Depois, alguém que passou por perto da bichinha me disse que ela tem um superbafo. Argh.

sexta-feira, dezembro 04, 2009

Cenas bogotanas - 3

Cochilo na árvore -- no calçadão que liga o centro de Bogotá à Universidade dos Andes.

quinta-feira, dezembro 03, 2009

Cenas bogotanas - 2


Sábado passado, no dia seguinte ao da minha chegada, Bogotá acendeu as luzes de Natal e ficou muito linda. Esse caminho fica na chamada Zona T, que é uma espécie de calçadão cheio de lojas de moda, cafés e shoppings.

quarta-feira, dezembro 02, 2009

Cenas bogotanas - 1

O Exército está espalhado por Bogotá inteira e é um dos responsáveis pela impressão de segurança que se tem quando se anda pela cidade.

O curioso é que os meninos, em geral, só têm farda: tamanho, que é bom, nada... hehehe. Mas dizem que os baixinhos são os mais invocados, né?

Esses foram clicados no bairro de Usaquén, onde rola um mercado das pulgas muito legal aos domingos.

Amanhã tem mais Colômbia!

terça-feira, dezembro 01, 2009

Trilha sonora bogotana

Quando viajo, sempre dá vontade de fazer um CD -- ou uma lista, que seja -- das músicas que fizeram parte da jornada. Como sou megaenrolona às vezes, não faço uma coisa nem outra. Mas agora vai ser diferente: quero compartilhar o som que rolou nos fones de ouvido, na rua e na noite nos três dias que passei longe.

Tem muita coisa bagaceira, mas a vida da gente não é composta só de referências incríveis, sofisticadas e supercool, né não?

No Youtube tem os vídeos. Se der tempo, eu coloco link a link das músicas, mas agora não vou poder. ;-)

1. Crash Into Me - Dave Matthews Band
2. Yolanda - Pablo Milanés
3. El Latido de Mi Corazón - Tati
4. Human - The Killers
5. Viva la Vida - Coldplay
6. Llamado de Emergencia - Daddy Yankee
7. Miracle - Fragma
8. My Friend - Groove Armada. Aliás, é minha música de todo fim de viagem.

Updates:
1) Como poderia me esquecer de Vivir Sin Aire, do Maná, a mais linda das músicas cafonas (ou vice-versa, hehe)?
2) Só faltou ouvir Shakira!