terça-feira, março 30, 2010

Adoro jornais populares


Eu colocaria legendas identificando as pessoas da capa -- se bem que quem lê esse jornal deve saber de cor e salteado quem são os personagens das fotos.

Fora isso, acho essa capa uma delícia, especialmente a manchete do Ricky Martin.

segunda-feira, março 29, 2010

Pet.jpg

Mais cedo, enquanto procurava um material do trabalho, achei essa foto aqui. Não sei quanto a vocês, mas eu a adoro.

domingo, março 28, 2010

Na 25 de Março - Parte 3

Já fui à Rua 25 de Março uma porrada de vezes desde que viajei a São Paulo pela primeira vez depois de adulta (em 2002), mas nunca me canso de reparar numa série de aspectos.

A primeira, como vocês devem ter visto nos dois posts abaixo, é a quantidade de papos maravilhosos que se ouve -- algo natural num lugar por onde passam milhares de pessoas por dia (na época do Natal, são milhões).

A segunda? A variedade de produtos que podem ser comprados com qualquer quantia. Você tem só R$ 1? Bom, então já consegue sair de lá com uma lembrancinha.

A própria diversidade de quinquilharias à venda é inacreditável. Tem tudo que você imaginar em verde-e-amarelo para a copa do mundo, estátuas de noivinhos (para bolos de casamento) em todos os tamanhos e posições e artigos incríveis para casa (tipo descascador de pinhão), entre outros mil itens.

Surpreendentemente, o amigo que me acompanhou no passeio teve uma dificuldade danada de encontrar um radinho portátil. E olha que a gente rodou.

Não vou me lembrar em qual esquina fica, mas há um shopping popular chamado 25 de Março (dã), que, para mim, é uma espécie de universo paralelo. Cheio de compradores, de produtos e principalmente de chineses (atrás dos balcões), que, em sua maioria, falam um português precário. Sério, tinha muito mais chinês do que brasileiro. Foi a primeira vez que senti necessidade de aprender a língua de Mao.

A polícia está por toda a parte, com homens e com viaturas. Mas não para coibir a pirataria (que permite a qualquer um comprar um relógio Calvin Klein shing-ling por R$ 10), e sim para garantir que todos façam suas compras -- piratas ou não -- em paz e tranquilidade.

Cara, essa ambigüidade é algo muito brasileiro.

sábado, março 27, 2010

sexta-feira, março 26, 2010

Na Rua 25 de Março, em SP

- Ai, tô com a cabeça confusa. Eu odeio o Clayton, amo o Clayton, odeio o Clayton, amo o Clayton, odeio o Clayton, amo o Clayton.

- Tá mal mesmo, hein? Pior que eu.

- O pior é que eu não sei o que faço. Deixo a vida me levar, vida, leva eu?

domingo, março 21, 2010

Fragmentos de papo masculino - 2

- Na horizontal, mulher é tudo igual.

(Não estou inventando essa frase, eu a ouvi de verdade ontem, num bar, na mesa do lado da minha. O cara, como veem, é praticamente um poeta moderno).

sábado, março 20, 2010

Diálogo do dia

No estacionamento de uma quadra residencial, um carro pára do lado de outro. Tem um cara em cada veículo:

- Já sei que você vai pegar mulher hoje.
- Hã?
- Quando você pega o Honda Civic, já sei que você vai sair pra ver mulher.
- É... (meio sem graça)
- Ah, moleque!

Os dois saíram dali logo depois.

segunda-feira, março 15, 2010

Momento Socila*


Caros, vou ter de dar uma de Glória Kalil aqui rapidamente porque acabei de ter um almoço bizarro no self-service de um tribunal aqui perto, rsrsrsrs.

Deviam rolar regras de etiqueta para quem, num momento de pressa e numa praça de alimentação cheia (ou restaurante, como foi o meu caso), precisa dividir a mesa com um estranho. É sério.

Como se trata de uma intimidade meio forçada (a mesa do self era um quadrado com uns 70cm de lado), um pouquinho de educação sempre cai bem.

Dito isso, segue o rascunho do minimanual MCDQEPD de finesse na praça de alimentação:

. Palitar os dentes não é aceitável, porra. Nem antes nem depois da refeição. Não é um comportamento válido nem para a mãe, nem para o amor da sua vida, nem para o George Clooney. Muito menos diante de uma pessoa que nunca se viu antes. E não adianta botar a mão na frente, todo mundo vai saber o que exatamente você está fazendo.

. Não pegue o talher como se ele fosse o guidão da sua bicicleta. Você já evoluiu de australopitecus para homo sapiens, companheiro (a).

. Você gostaria que eu ficasse espiando as suas coisas para saber o que você tem na bolsa (ou no bolso), como é o seu celular, se o seu crachá é de concursado, estagiário, visitante, etc.? Ok, então não faça isso com quem está à sua frente.

. Não jogue olhar 43, a não ser que você seja, uh, o George Clooney (de novo). Tentou contato visual e/ou papo com o sujeito à sua frente, mas ele não deu muita bola? Não insista, mas também não fique se achando péssimo (a). Ele pode estar só com pressa.

Em síntese, esse desabafo dá uma idéia do que rolou comigo agora há pouco. Foi esquisito, a ponto de, quando veio a garçonete perguntar se o cara queria beber alguma coisa e se precisávamos de dois copos, eu precisar dizer logo:

- Só um. Não estou com ele.

Nunca é demais dizer, não estou defendendo que sejamos pessoas posers e segregadas (quem lê o blog de vez em quando sabe exatamente que sou contra isso). Convivência é tudo de bom. Só não palite os dentes na minha frente, por favor.


* Socila é uma escola que, acho, existe no Brasil desde o tempo da vovó mocinha. Dava uns cursos de etiqueta bem famosos. Nem sei se ainda existe...

quarta-feira, março 10, 2010

Fragmentos de papo masculino

Ouvi isso mais cedo, no restaurante self-service que mais adoro aqui em BSB. Havia uma mesa enorme com uns 10 caras de meia-idade e calhou de eu me sentar perto.

Fragmento 1

Homem - Se você pergunta onde ela quer ir, ela sempre diz 'Ah, não sei', com aquela vozinha.
Outro homem - Em compensação, se você escolhe o lugar, ela reclama: 'Você nem me consultou!'.

..........................

Fragmento 2

- Porra!!! Mas já? Antes de casar?
(O resto do diálogo eu não consegui escutar, o povo começou a falar meio baixo)

...........................

Fragmento 3

Homem - Ir sozinho é melhor, dá para ir dirigindo com uma mão só.
Outro homem - Dá para parar num lugar com balcão, pedir uma cerveja...

...........................

O sonho de me transformar num mosquitinho para ouvir papo cueca livremente ainda não foi realizado... mas cheguei bem perto dessa vez.

segunda-feira, março 08, 2010

8 de março



Feliz Dia Internacional da Mulher a todas nós... e ao Brian Molko, do Placebo. hehe

sábado, março 06, 2010

Personal São Paulo


Esses dias me dei conta de que não falei quase nada sobre a viagem que fiz para lá. Aí, resolvi colocar uns endereços de uns lugares legais para quem está querendo ir. São Paulo é tão gigantesca e tem tanta coisa boa que um recorte sempre pode ser útil, né não?

Feirinhas, etc.

Benedito Calixto
Entre as ruas Cardeal Arcoverde e Teodoro Sampaio. A avenida Henrique Schaumann e a rua João Moura são as vias paralelas entre as quais fica a Praça, em frente à Igreja do Calvário. Sábado, das 9h até as 18h. Em volta, há mil lojinhas com moda criativa e de preços baixos, itens de decoração fofos (como os ímãs de geladeira que ilustram esse post), bares mil, etc. Perto dali, ainda tem uma loja onde quase pirei: Maria Jovem, que vende cadeiras e poltronas antigas e totalmente inacreditáveis.

Liberdade
Sábados e domingos, das 9h às 18h. Saindo da estação Liberdade do metrô, a feira já invade você, saca? Muvuca pura, mas eu gosto.

Cultura + noite

In on it
Faap Teatro
R. Alagoas, 903, Higienópolis; (11) 3662-7233
O espetáculo (ótimo!!!) é inspirado em obra do canadense Daniel MacIvor. No elenco, Emílio de Mello e Fernando Eiras. Temporada prorrogada até 11 de abril! Vão!!!! É o melhor espetáculo que vi em muuuuito tempo. E dá para comprar ingresso pela internet.

Sesc Av. Paulista
Av. Paulista, 119; (11) 3179-3700
O legal é o seguinte: em qualquer unidade do Sesc, dá para comprar ingressos para qualquer unidade do Sesc em todo o estado de São Paulo. Basta consultar a programação no site e ser feliz! Ou não, rsrsrs. Tentei comprar ingresso para um espetáculo (Kastelo, do Teatro da Vertigem) e descobri que já estava tudo lotado até o fim da temporada. Bom mesmo seria se a instituição vendesse ingressos pela internet. Aí, sim, o esquema poderia ser de felicidade total.

Studio SP
Rua Augusta, 591, Consolação; (11) 3129-7040
Tem shows ótimos de pop/rock e festinhas com DJs que tocam diversos gêneros musicais. Mas é bom consultar a programação antes para não cair em roubada. www.studiosp.com.br

Tapas Club
Rua Augusta, 1246, Consolação; (11) 2574-1444 (das 9h às 15h)
Na entrada, tem um lounge fofo. Apresenta shows ótimos de rock e festinhas com DJs que tocam diversos gêneros musicais. Também é bom consultar a programação antes, em www.tapasclub.com.br

Depois eu conto mais. ;-)

quarta-feira, março 03, 2010

Olha quem apareceu na minha janela...

Pouco mais de um mês depois deste post, o Mentos voador ataca novamente!

Dei uma saída mais cedo e, quando voltei e abri a janela, estava lá o aparato balinha + corda, só que dessa vez com a corda cortada. Não sei quando ele estacionou no meu parapeito, mas, agora, oficialmente, o Mentos é meu.

A caixinha está cheia pela metade com balas com gosto de coisas cor-de-rosa: morango, tutti-frutti e por aí vai. Validade: março de 2011.

Vou jogá-la fora assim que terminar o texto, porque continuo achando válida a recomendação de não aceitar doces de estranhos. Hehe.

segunda-feira, março 01, 2010

Cofres e churrasqueiras

Toda vez que dirijo pela Epia, que é uma pista supermuvucada aqui de Brasília, vejo sempre o caminhão de um sujeito cuja placa anuncia: "Cofres e churrasqueiras".

Sério: tá precisando de um cofre portentoso, pesado, desses de desenho animado? Ou: marcou um churrasco, mas se deu conta de que não tem churrasqueira com espetos no seu apê? Passa lá na Epia, perto do Cruzeiro, e dá uma estacionadinha tosca rumo ao caminhão na beira da pista.

Ainda não fiz isso porque sempre passo por lá com pressa, mas adoraria parar e conversar com o dono do caminhão. Primeiro, para saber o que as fabricações de um cofre e de uma churrasqueira têm em comum. Segundo, para descobrir como é que ele foi parar nesse business.

Alguém algum dia imagina que, quando crescer, vai se tornar vendedor de coisas tão díspares quanto um cofre e uma churrasqueira?