segunda-feira, setembro 07, 2009

Coreia do Norte: vai encarar?



Assisti a um documentário perturbador no último domingo, depois do trabalho. Passou no Multishow, mas não consigo saber se vai ser reprisado.

Vi tudo meio caindo de sono, mas o tema era tão bom que não deu para não seguir até o final.

Todo mundo que acompanha mais ou menos as notícias internacionais sabe que a Coreia do Norte é um dos países mais fechados e estranhos do mundo. Que milhões de pessoas passam fome enquanto o Estado exibe um poderio militar absurdo e impõe uma política de culto à personalidade do atual ditador, Kim Jong-Il.

A Coreia do Norte não tem interesse em receber turistas. E os turistas, diante da dificuldade que é entrar no país, raramente procuram a Coreia do Norte como destino. Mas houve uma figura que não sossegou enquanto não conseguiu pisar lá: trata-se do norte-americano Shane Smith, da VBS TV.

The Vice Guide to North Korea (assista aqui, na VBS TV, ou aqui, em pedacinhos, no Youtube) mostra o barbudão num hotel ilhado e praticamente deserto, numa casa de chá que passou meses sem receber um visitante sequer, num videokê proibido para os norte-coreanos, em restaurantes que tentam disfarçar a carência de alimentos no país e em uma série de monumentos que exaltam Kim Jong-Il e o pai, o também ditador Kim Il-Sung.

Impossível não notar um certo tom entre o incrédulo e o jocoso (e dá para ser diferente? Como levar tudo aquilo a sério?) na narração do apresentador. Da mesma forma, não há como não perceber o estado de depressão e torpor que vai se instalando aos poucos no documentarista. E eu pergunto de novo: dá para ser diferente? Não, não dá.

É isso, meu povo. Vou nessa, que esse negócio de escrever sobre depressão e torpor deixa a gente com vontade de ouvir Pink Floyd. Beijo.

6 comentários:

SM disse...

Olá Mari!

O teu blog está 5 estrelas; a forma energética como escreves e abordas certos temas torna-o muito interessante! Este último post sobre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul impactou-me. Uma coisa é ler no jornal ou ouvir rumores dessa dura e estranha realidade, outra é vê-la num documentário tão revelador como este. Fiquei super curiosa para ver o resto do documentário!...

Beijinhos,
Silvia

Mefisto disse...

Oi! Muito bom o post.

Acreditas que eu, formado em relações internacionais, dia desses me peguei soltando a seguinte pérola: A Coréia do Norte é um país muito... complicado? Foi tudo o que consegui falar sobre ela. Absurdo, né? Voltando mais vezes aqui, quem sabe, aprendo alguma coisa.

Beijo!

Mari Ceratti disse...

Sílvio, não fique assim... ;-)
Eu também já cometi uma gafe ao falar do país governado pelo querido líder (como o próprio King Jong-Il se autodenomina). Me lembre de comentar na próxima vez que a gente se encontrar.
Beijo!

Alexandre Correia disse...

Olá Mari,

Tenho de agradecer-lhe os momentos preciosos que me proporcionou com o link da música dos Pink Floyd. Perdi-me nas horas e fiquei ouvindo tema atrás de tema. Foi uma deliciosa viagem no tempo, ao sabor dos sentidos aquela que acabei de fazer ao som dos Pink Floyd. Obrigado!
Quando à Coreia do Norte, conheço suficientemente bem a realidade, daquilo que é possível saber-se. Não só vi recentemente um documentário de televisão feito por dois jornalistas franceses que conseguiram fazer-se passar por turistas, e o documentário para além de hilariante era suficientemente elucidativo dessa triste e enigmática realidade da última grande ditadura fechada do mundo (há mais, mas são menos secretas..., como um grande amigo meu esteve lá há cerca de dois anos e a sua experiência foi idêntica à destes documentários televisivos. Mas verdadeiramente impressionantes foram as imagens colhidas por uma ONG em orfanatos norte-coreanos. Não queira vez, que dão vontade de chorar, por não podermos fazer nada...

Beijo,

Alexandre Correia

Felipe Martins disse...

Só vê se esse documentário não está sensacionalista. Gostaria de ver o mesmo tema abordado pelas lentes russas ou chinesas. Certamente não seria tão tosco assim. A televisão tende a manipular e criar fatos que viram verdades mesmo para os mais vacinados jornalistas, como a mocinha do blog aí.

Em tempo: Pink Floyd é ruim. Vai ouvir AC/DC.

Beijocas

Luiz disse...

Ví esses dias um programa com 3 brasileiros que foram a Coréia do Norte recentemente. Não vou lembrar o nome do programa, mas foi bem interessante ver a coisa por uma ótica Brazuca.