segunda-feira, agosto 30, 2010

Kebab republicado

Povo da minha terra,
Decidi republicar o post do kebab porque: 1) Ele é um dos campeões de audiência do blog (incrível!); 2) Apareceram umas novidades desde que fiz esse texto, no começo do ano.
Aproveitem. Beijos.


Kebab
, pra quem não conhece, é mais ou menos assim: um sanduíche de pão folha (parecido com pão sírio) enrolado de modo a caber várias coisas. Entre elas, carnes variadas cortadas em nacos bem grosseiros, vegetais variados, bolinhos fritos de grão-de-bico (falafel), etc.

A carne, vou dizer logo, vem de um espeto enorme, onde ela fica toda compactada. (Já sei, alguns vão ficar com nojinho depois de ler isso, hehehe.)

Na Europa, kebab é sinônimo de comida de rua, gostosa, barata e nem sempre certificada pelas autoridades sanitárias. Uma daquelas coisas deliciosas que você deve comer com a mão e por sua conta e risco, sabe?

Mas, do lado de cá do Equador (ou pelo menos aqui na capital brasileira), kebab virou lanchinho exótico e chique, numa prova de que nós, brasileiros, somos muito eficientes em avacalhar com a culinária alheia. Já fizemos isso superbem ao criar a pizza de morango com chocolate, o crepe de rúcula com tomate seco e mussarela de búfala, o sushi de cream cheese com goiabada e outras coisas.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Pues, acho que a moda de kebab está chegando aqui como um dia aterrissou em São Paulo. Já contabilizei três um milhão de casas abertas no último ano.

A Sheikebab, na 103 Sul, onde funcionava o La Bússola, é simples. E, ao mesmo tempo, muito mais arrumada do que qualquer lojinha de kebab na França ou na Espanha. Dá até para comer kebab com garfo e faca, ora vejam! Mas o lugar respeita bastante a tradição das receitas árabes. As opções de carne não são muitas: boi, frango e cordeiro, e não se fala mais nisso. Ah, sim, existe também uma versão com falafel para quem não come carne. Uma saladinha básica completa o sanduíche. Para quem ficou com fome, ainda há uns petiscos (homus, kibe, etc.) bacanas. Pena, mas o lugar fechou. Pena mesmo, porque era o mais tradicional aberto por aqui. Resta saber se é culpa da má-administração ou se há uma caveira de burro (sempre tem quem acredite nisso) plantada embaixo da loja. Já é o segundo empreendimento que dá errado por ali.

O esquema da Hayal Kebab (408 Sul), por sua vez, é completamente diferente e nos leva de volta para o parágrafo da pizza de morango, do sushi com cream cheese, etc. As receitas se afastam muito do convencional, mas pelo menos há uns kebabs com cordeiro para salvar a pátria. Devo ressaltar que tudo é gostoso, tanto o sanduíche quanto as opções de bebida. Outros aspectos legais de lá: 1) Aniversariante não paga pelo kebab; 2) A decoração é linda! Quem quiser fazer um número para o(a) namorado(a) ou impressionar alguém pode escolher se sentar nos colchõezinhos que ficam no mezanino, de frente para a rua.

Muito recentemente, mais dois lugares abriram as portas pegando carona na modinha do sanduíche árabe. Um deles é tão ridículo que não vou nem me lembrar o nome. Fica na 110 Norte, ao lado do prédio da Fratello. A única lembrança de Oriente Médio que o lugar tem está nos narguilés para fumar. De resto, tudo é igual a uma creperia. O lugar ainda tem TVs de plasma que tocam DVDs horríveis (odeio).

O outro é tão legal que merece alguns retornos. Chama-se Keb's e assume logo de cara: não é uma kebaberia, embora se inspire fortemente nas receitas tradicionais. A franquia carioca abriu as portas em Brasília esta semana, na 105 Sul, e traz um monte de sanduíches maravilhosos (de cordeiro, falafel, vegetais e por aí vai), que podem ser acompanhados por umas batatinhas super iloveyou.

Eu queria dar o link para o site, mas ele é péssimo -- assim como o Twitter da rede. As cadeiras do lugar também são um horror porque não têm encosto. Não é por isso que vou desistir do local, mas tenho certeza de que uma galera vai reclamar. Não sei se a idéia é fazer um lugar só para a garotada (que não liga para esses detalhes) ou simplesmente um ponto de alta rotatividade. Mas dá para criar rotatividade sem apelar para esse tipo de economia porca.


::::::::::::::::::::::::::

A terceira quarta opção é a do Calçadão da Torre, no posto de gasolina perto da Torre de TV. Se não me engano, o criador do lugar era um chef que já cozinhou para a Embaixada do Egito aqui em BSB e depois abriu uma birosca ótima (com kibe de cordeiro e tudo), que já fechou. Dos três lugares que mencionei aqui, é o de aparência mais rústica e cardápio mais fiel. O Senhor Meu Marido (SMM) foi e gostou, embora ache que o sanduíche venha com cebola demais. Para mim, isso é péssimo, mas não chega a tirar meu ânimo de visitar o local. Uma hora, eu passo lá... Bom, passaram-se sete meses desde que fiz o primeiro post e continuei sem ir. Já não prometo mais nada nessa vida. :o)

3 comentários:

m.Jo. disse...

Você já experimentou o árabe de calçada na entrada da 112 sul?
Fui lá uma vez e gostei. No capricho.Qualquer hora vou de novo.
Bjks

Mari Ceratti disse...

Esse é outro aonde quero ir há uma era e não vou (por pura falta de lembrança!). Me chama quando estiver a fim de ir lá?
Beijos

Nira disse...

Mas alguém tem de tentar desenterrar a tal caveira de burro, rsrsrs!