sexta-feira, outubro 29, 2010

Carlos Adão é prazer


Para mim, Carlos Adão era intriga, mistério e riso solto desde a primeira vez que vi suas pichações (inscrições, demarcações de território, como queiram) lá em São Paulo, durante o carnaval.

Eu estava passando de carro (em algum lugar que não vou me lembrar agora) quando vi uma frase atrás da outra, todas muito modestas: segundo o próprio homem, ele é gostoso, tudo de bom, lindo, etc. Fiquei querendo fotografar tudo, mas não deu.


Por sorte, voltei lá há pouco mais de um mês e andei fotografando pela Rua Augusta, que tem grafites legais (vou postar amanhã) e filhotes do gatinho para tudo quanto é lado.

Carlos Adão é real, conforme demonstra o vídeo a que você pode assistir aqui. Ele usou suas pinturas de tinta fosforescente verde para tentar se promover como candidato a deputado, mas antes disso já tinha uma fixação tremenda no próprio nome. Desde criança, já o pintava no próprio tênis, como descreve esta matéria do jornal O Estado de S. Paulo.

Para quem ficou com preguiça de ver tantos links, antecipo que agora Carlos Adão é chique e tema de exposição numa galeria de arte na capital paulista. É bom ressaltar que a mostra não se resume às frases escritas com letras verdes: inclui também uns desenhos que ele andou bolando.

Então tá!

Um comentário:

Nira disse...

KKKKKKK, Carlos Adão é ótimo, rsrsrs