quarta-feira, abril 19, 2006

Postal

Ontem, recebi um cartão postal com a letra do meu pai, que há anos tira férias no mês de abril (em 2006, ele já foi e já voltou). O cartão dizia mais ou menos assim:

"Mari, muitas saudades
Você iria gostar de Valpa. A cidade é a sua cara.
Beijos, pai"

Olhei a parte da frente do cartão: Valparaiso, Chile, que pela foto realmente deve ser uma gracinha.
Uai, não foi pra lá que ele viajou agora, pensei. Até que olhei para a data de postagem do selo: 23 de abril de 2003.

Isso me fez pensar no que pode ter acontecido com o postal para chegar quase três anos depois – a data do selo, por sinal, é a do meu niver (tá chegando!).

Obviamente os correios perderam a carta. Tenho certeza de que ele ficou esse tempo todo escondido atrás de uma mesa (já perdi várias coisas assim), até ser resgatado por uma faxineira que estava fazendo uma grande limpa no local. O que me intriga é pensar como.

Vai que, na hora de separar as correspondências nacionais das internacionais, havia tanta coisa em cima da mesa do funcionário que o meu postal foi simplesmente parar onde parou.

Vai que a funcionária separadora de cartas também se chamava Mariana e tinha vontade de, uma vez na vida, receber um cartão postal do próprio pai. Assim, guardou o cartão como uma lembrança saudosa, até que se deu conta de que aquilo não lhe pertencia realmente.

Vai que, na hora de separar o material, a funcionária recebeu a visita de seu amante e eles fizeram sexo tórrido na mesa, por cima de uma pilha de cartas, fazendo várias delas voar pelo chão (inclusive a minha, que foi para trás do móvel).

Alguém tem mais alguma idéia de como o meu postal ficou no limbo dos correios chilenos esse tempo todo? Mande um comentário...

4 comentários:

Vivian disse...

Aeeee!! Voltou!!! \o/

Vai ver que o senhor que separava as cartas, Henrique Antônio, era de Valparaíso e, com saudades de sua terra natal, guardou o cartão postal até o dia em que ele finalmente conseguiu juntar um dinheirinho, voltar para sua cidade e casar com Alejandra Shirley. Infelizmente, ao chegar lá ele descobriu que na verdade Alejandra Shirley era nada mais nada menos que seu pai!!! o.O Então, decepcionado com os eventos ele resolveu devolver o cartão postal e retomar a sua vida abrindo uma barraquinha de água de côco em Salvador onde ele conheceu uma russa-samoana, Katrina Melua, com quem se casou e foi feliz para sempre.

Novela mexicana total...

Ashka disse...

Mari.

Quem sabe se houve uma greve nos Correios da província e eles simplesmente deixaram de entregar as cartas de abril de 2003 e as deixaram em um caixote até que um dia, o novo estagiário, foi vasculhar pelas caixas e viu todas aquelas cartas não enviadas?

Talvez a carta, ou melhor, o tiozinho do correio, não conseguiu atravessar a Cordilheira com a carta até este ano, quando o nível da neve diminuiu?

Ah.. sei lá. Mas não tinha nenhuma pista?? Selos ou carimbos de outras datas e outras cidades? O CEP está certo?

Taís

françoise disse...

Vai que o carteiro esqueceu seu postal no bolso da camisa que ele estava usando no dia. E vai que a camisa foi definitivamente aposentada até uma semana atrás...

I Am Evil disse...

Vai ver que seu pai sempre se sentiu culpado por não ter enviado um postal de Valparaíso para você e convenceu alguém do Correio a colocar uma data de dois anos atrás para o postal que ele colocou semana passada.
Ou talvez ele só tenha posto o CEP errado. Acontece.