sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Ode e retorno

O Felipe é legal. Quando ele era editor de informática, lá pela Idade Média, nem me conhecia direito e topou que eu virasse repórter do caderno – ocupando a vaga de um jornalista que saiu de uma hora para outra. Na época, eu estava me formando e achei o mááááximo. Hoje, já afastado do mundo dos bits and bytes, ele faz parte do blog Totalmente Sem-Noção, que tem uns textinhos meio boiolas, cheio de letrinhas coloridas e em negrito, mas ainda assim é muuuuuuito divertido de ler.
Resolvi escrever esse texto em homenagem ao meu ex-chefe para ver se ele pára de me mandar e-mails dizendo que não agüenta mais entrar neste blog e só ler posts velhos. Taí, cara. Tô de volta à casa.
Taí, meu povo. Cheguei. :-)

4 comentários:

Felipe Campbell disse...

Tá vendo como minha campanha funciona??? Experimenta ficar cinco dias sem publicar nada pra ver se eu não volto. :o))

Beijos e parabéns pela mudança no trabalho.

PS: Você é boa (sem trocadilho) em qq área que vá cobrir. Não te preocupa. Tira de letra tudo que te mandarem fazer.

I Am Evil disse...

Beleuza. Agora que você voltou para aí, já estamos esperando que você marque sua viagem para cá. :-)

Quemel disse...

Cara Mari,

já que estamos falando de ex-chefe. O Felipe também foi meu chefe entre 1999 e 2003 no Correio Braziliense. Já tinha fama de "doido", mas o cara conseguiu ser mais doido ainda do que eu publicando meus "furos" (sem trocadilhos, por favor). E agora estou orfão. A Mari foi para o Caderno de Cultura.
Mari você é muito boa (com todo respeito é claro!). Ficava impressionado, aquilo que você fazia em uma semana (matérias, apuração) eu levo no mínimo 60 dias!

Curso agora uma disciplina na UCB (Estética em Comunicação). Ajuda aqui o troglodita nerd a ver o Belo (p*** sem trocadilhos, please)?

Cialva disse...

Oi Mariana, como o Felipe ja disse: mundo pequeno ou renda concentrada. No melhor estilo seis graus de separacao eu te digo que conheci o Felipe dentro de um elevador de um albergue da juventude em Nova Iorque. E entao vou falar pra ele que nos conhecemos na cultura hispanica nas aulas de teatro do Plinio Mosca. MUNDO PEQUENO TOTAL!!!

beijos