segunda-feira, junho 22, 2009

Não tem champagne no biscoito de Champagne

Há uns mil anos (tá bom, foram só uns 20), logo depois que a minha família mudou de apartamento, eu acordei num dia chuvoso e feio e resolvi ir direto no pacote de biscoitos de champagne que mamãe comprou em algum lugar aí.

Naquele momento, aqueles biscoitinhos me pareceram a maior criação da história da arte: dourados, arredondados, com aquela crosta delicada feita de açúcar a cobrir a massa quase por completo. E ainda por cima o nome do produto indicava que havia champagne e glamour de verdade na receita. Tudo o que alguém pode querer num dia cinza.

O primeiro gosto, no entanto, foi totalmente aquém do esperado. O tal biscoito de champagne era uma coisa meio doce, seca, massuda. Comi por mais um tempo por pura teimosia. Mas nunca mais fiz questão dele.

E passei mais um tempão sem me lembrar dessas coisas até o dia em que me vi cara a cara com os tais dos biscoitos rosa de Reims (na região de Champagne).

O propósito deles é servir de acompanhamento para as taças de champagne que o pessoal toma (o biscoito é tão doce que deve ajudar o sujeito a não ficar tão bêbado). E a massa tem a incrível propriedade de não se desmanchar quando entra em contato com líquidos (uau). De modo que os usos e costumes locais mandam a pessoa mergulhar o doce no champagne de vez em quando e... bom, não é preciso mais nada, né? Basta ser feliz.

Os biscoitos rosa de Reims são assim. Vejam e vocês acreditarão que eles são bons.

Pois é, mas não são nada demais. Eles têm o mesmo sabor do meu biscoito de champagne da manhã chuvosa dos meus 7 anos. A diferença é que há um corante na massa. Pura aparência.

E, antes que eu me esqueça, não há champagne nos biscoitos de Champagne. A massa é a mais básica que se pode imaginar para um biscoito: farinha, ovo, leite, açúcar e fim.

O reencontro com a iguaria foi tão chocho que nem me dei o trabalho de tentar experimentá-la como manda o figurino. Melhor não.

O gosto da decepção é mesmo uma coisa muito esquisita.

3 comentários:

Mayra disse...

ah, não. como você não provou o danado "comme il faut" pra ver se não se reconciliava com ele? =)

Elisa disse...

Mari, se vc gostou do biscuit rose, vai no Daniel e pede uma caixa de macarons. Délicieux... Ah, e obrigada por ser a garota-propaganda da Visage na Europa hahaha Tem certeza que não quer experimentar um modelo mais atual? :p Beijo!

Mari Ceratti disse...

Elisa,
O modelo do qual sou garota-propaganda parece até que foi feito pra mim... mas eu aceito experimentar outros se for de graça. ;-)
Beijos!