terça-feira, março 03, 2009

Girassóis do cerrado

O que eu vou dizer parece com aqueles apelos feitos nas correntes de e-mail, mas é a mais pura verdade: se você tem algo a fotografar, faça isso logo. O dia de amanhã pode não chegar, você pode não estar vivo (toc-toc-toc) ou o objeto da sua foto pode simplesmente não existir mais.

No começo de janeiro, vi uma plantação enorme de girassóis (todos gigantescos) próxima ao Parque Olhos d'Água, em Brasília. Como passei por lá sem câmera e com pressa, não rolou foto. Semanas depois, quando voltei lá, eles já tinham morrido. Acho que foi culpa da chuva. Fiquei chateada, é claro.

Este fim de semana, no entanto, fui lá de novo e vi que novas gerações de flores estavam já curtindo o veranico brasiliense. Ainda bem que fui com a máquina.

Fiz a foto meio torta de propósito. Lá atrás, um legítimo representante da nossa arquitetura mezzo comunista, mezzo desenho dos Jetsons.

Mais uns girassóis adolescentes. Já já eles ficam grandes como os outros.

Aproveitei para testar a função macro da máquina e superar meu medinho de abelhas, hahaha.

Onde vê-los? Na entrequadra 214/215 Norte, perto do Parque Olhos d'Água. A grama da entrequadra é meio feiosa, mas a visão do jardim compensa a visita.

5 comentários:

solin disse...

eu concordo plenamente com vc. plenamente mesmo.
todas as vezes que eu vejo algo lindo, q outras pessoas merecem demás, cer, meu maior desejo é ter uma câmera. desejo esse q vai ter de esperar n sei qto p eu satirfazer. quanduanto isso, eu tento amenizar a meu lamento, e me contnto ao ver as fotos dos colegas. Preparados :D

girassóis são realemnte lindos. são alegres, majestosos.
te felicito pela iniciativa.

um xero ;)

Mayra disse...

adoro girassóis. =)

Felipe Campbell disse...

Eu sempre tinha mania de plantar coisas diferentes na jardineira do meu quarto, na 207 sul. Feijões, batatas, milho e até mamão. Mas o girassol era o mais legal. Ele crescia horrores e realmente acompanhava o sol. E eu ainda guardava as sementes pra dar de comida pro meu papagaio na época, hehehee...

Beijocas

rc disse...

Não tem muito a ver, mas outro dia estávamos comentando sobre os jardins instantâneos que aparecem em canteiros de Brasília - e desaparecem pouco depois. Será uma terceirizada especializada em jardins instantâneos?

Mari Ceratti disse...

Solin e Mayra: :-******** pra vcs!

Felipe: eu tb era campeã de plantar coisinhas! Depois que cansei do feijão, experimentei milho, maçã e uva, todos no algodão, mas nunca o girassol. Na terra, tentei uma semente desconhecida, que achei uma vez na pracinha (cresceu horrores tb) e tâmaras. Aí desisti dessa vida agrária e virei jornalista, hehehe.

Rc: acho que isso tem mais cara de iniciativa espontânea de quem mora nos blocos próximos. Os jardins das terceirizadas são muito organizadinhos, planejadinhos, com flores cuidadosamente escolhidas, e esse não. Tanto é que a grama em volta é malcuidada demais (nada mais brasiliense, né não?). Abs e obrigada pela visita.
:-)