quarta-feira, janeiro 21, 2009

Lálálá, estou apaixonada*

Update em 1º/5/2009: você quer saber se realmente está apaixonada? Então clique aqui para ler um post sobre o assunto.

Inacreditável, minha gente. Estou há três anos sem acompanhar nenhuma novela. Passei ao largo dos arranca-rabos de Flora e Donatela, da pegação entre Bebel e Olavo e outras histórias que prendem milhões de brasileiros (e de gente em outros países também!) em frente ao ecrã (adoro essa palavra). E aí, na última segunda-feira, parei 15 minutos para assistir à nova produção das oito na Globo: Caminho das Índias, de Glória Perez. O mais surreal é que tive enorme dificuldade de me segurar diante da tevê durante essa pequena quantidade de tempo. A cada vez que via algo horrível, me levantava para ir embora, mas algo mais forte me impedia (a vontade de sofrer, será? hehe). A novela é ruim, ruim demais, ruim pra cacete!!!!

Depois de criar núcleos que oscilavam entre Rio de Janeiro e Miami (em América) e Rio de Janeiro e Fez, no Marrocos (em O Clone), a autora teve a ideia de fazer uma história que viajasse entre Rio e Mumbai. Botou a Juliana Paes para ser atendente de telemarketing, o Márcio Garcia para ser um intocável que consegue se formar nos Estados Unidos (peraí, achei que os representantes dessa casta não tivessem sequer direito a documentos)... e os dois vão se amar sem beijos, tal qual num filme de Bollywood.

Caminho das Índias tenta imitar a estética dos filmes pop indianos, não consegue e ainda faz pior: tem texto e direção tão bizarros que corrói o trabalho de alguns dos nossos melhores atores. Eu não conseguia imaginar a Laura Cardoso, a Eliane Giardini, o Alexandre Borges ou o Lima Duarte atuando mal. Pois finalmente vi tudo isso.

Não consigo lembrar muito bem dos diálogos, mas sei que em algum momento a personagem da Juliana Paes diz: "Um amor que começa no Taj é um amor para sempre". Para depois repetir romanticamente, com uma dancinha, o nome do amado: "Bahuan, Bahuan...". Aaaaaaaaaaaaaargh!!! Ah, lembrei também que nesse mesmo episódio eles se encontraram umas cinco vezes. Em Mumbai (nem em Brasília isso acontece).

Pelo andar da carruagem (ou seria melhor do elefante?), creio que ainda vou ficar pelo menos mais uns 10 meses longe do folhetim das oito.


* Esse título é a tradução do que a mocinha do vídeo abaixo diz na primeira cena. O vídeo pertence a um episódio dos Simpsons em que a família hospeda o indiano do mercadinho em casa. Tanto o vídeo quanto o episódio completo são sensacionais. Recomendo muito.

7 comentários:

Ugo Braga disse...

Faz sentido a novela. A Globo precisa concorrer no horário trash com a novela dos mutantes, da Record.

Aliás, já que é pra ser trash, a da Record dá de mil. É a maior comédia da TV brasileira no ar atualmente.

culatra disse...

A novela é totalmente artificial.
Seria legal um autor de novelas que não se levasse a sério, que brincasse com o próprio ofício, e fizesse umas comédias.

Mari Ceratti disse...

Ugo de Deus, eu já vi um pedaço dessa novela da Record num momento de lanche na Tia Tona!! É de se perguntar a razão de tanto sucesso (o mais sinistro é que a novela vem sendo alongada há séculos). A propósito, a qualidade da tevê aberta é terrível. Eu aproveitei pra zapear um pouco hj na minha folga e fiquei passada com a quantidade de coisas ruins.

Gustavo, concordo com você... mas no dia em que um autor de novelas da Globo brincar de verdade com o próprio ofício, a cabeça dele vai a prêmio! :-) A emissora prefere deixar essa tarefa de fazer comédia com as novelas para o Casseta & Planeta. Que, aliás, deve fazer uma bela paródia da novela nova...

solin disse...

licencinha...
só pra complementar, é a mesma coisa das outras novelas de Gló.
parece um deja-vú. ow mulher repetitiva.
e a grande massa ama.

xau :)

ww.aereo-porto.blogspot.com

Felicia disse...

Oi Mari!
Muita risada aqui em São Fëlix do Araguaia, lendo seu blog.
Beijo.

Mari Ceratti disse...

Solin, concordo contigo em gênero, número e grau! A propósito: entrei no seu blog e não consegui comentar... :-(

Felicia: bem-vinda! Eu tenho uma amiga que vive em São Félix tb e, quando vi o nome da cidade, pensei imediatamente que fosse ela... :-)

Mari Ceratti disse...

Update às 22h20:
Felícia, eu já sei quem você é!
:-)